A catástrofe humanitária do socialismo venezuelano: 90% da população vive hoje na pobreza

Home / ARTIGOS / A catástrofe humanitária do socialismo venezuelano: 90% da população vive hoje na pobreza
A catástrofe humanitária do socialismo venezuelano: 90% da população vive hoje na pobreza Inflação de 5.000%, crianças abandonadas pelos pais, pessoas perdendo 11kg e uma crise migratória.

 Venezuela já teve a quarta população país mais rico do mundo. E então adotou o socialismo.

Consequentemente, hoje 87% da população está na pobreza, sendo que 61% estão na pobreza extrema.

Sob uma onda de miséria e com uma crescente escassez de alimentos, pais venezuelanos estão entregando suas crianças para que elas ao menos tenham algo para comer.

Considere esta reportagem do jornal The Washington Post:

Crise leva pais venezuelanos a deixar filhos em orfanatos

“Você quer ver os pequenos?” pergunta a assistente social Magdelis Salazar, convidando-me a acompanhá-la a um playground cheio de crianças.

Estávamos no Fundana, o maior orfanato privado da Venezuela, logo após o almoço. O pátio era praticamente uma pista de obstáculos: repleot de crianças abandonadas. Um garotinho de 3 anos estava sentado num triciclo. Ele é apelidado de “El Gordo”. Mas quando foi deixado no orfanato, alguns meses atrás, era apenas pele e ossos.

El Gordo passou rápido por uma garotinha de 3 anos usando uma blusa florida cor-de-rosa. “Ela quase não fala”, disse uma das funcionárias, fazendo cafuné nos cabelos cacheados da menina. Ou não fala mais. Em setembro, sua mãe a deixou numa estação de metrô com uma sacola de roupas e um bilhete suplicando para que alguém a alimentasse.

A miséria e a fome crescem [clique aqui, mas esteja alertado de que as imagens são fortes] sem parar na Venezuela, onde a crise econômica deixou as prateleiras das lojas sem alimentos, remédios, fraldas e fórmula infantil. Alguns pais estão se vendo sem outra saída senão fazer o impensável.

Estão entregando seus filhos.

“As pessoas não conseguem encontrar comida”, disse Salazar. “Não têm como alimentar seus filhos. Estão entregando seus filhos não porque não os amem, mas porque os amam.” […]

Não há estatísticas oficiais sobre o número de crianças abandonadas ou enviadas a orfanatos por seus pais por motivos econômicos. Mas entrevistas com responsáveis pela Fundana e nove outras organizações públicas e privadas que atendem crianças em situações de crise sugerem que o número chegue às centenas ou mais em todo o país.

No ano passado, a Fundana recebeu 144 pedidos de acolhimento de crianças, sendo a grande maioria ligada às dificuldades econômicas enfrentados pelos pais. Em 2016, haviam sido 24 casos.

“Não sei o que mais fazer”, admitiu Angélica Pérez, 33 anos e mãe de três filhos, quase chorando.

Ela apareceu na sede da Fundana em uma tarde recente com seu filho de 3 anos e duas filhas, de 5 e 14 anos. Pérez era costureira, mas perdeu o emprego alguns meses atrás. Em dezembro, quando seu filho menor adoeceu com um problema dermatológico grave e o hospital público não tinha remédios, ela gastou suas últimas economias para comprar pomada numa farmácia.

Seu plano era deixar as crianças no centro, onde sabia que elas seriam alimentadas, e viajar para a vizinha Colômbia para procurar trabalho, com a esperança de poder recuperar seus filhos mais tarde. As crianças geralmente podem passar seis meses a um ano na Fundana, antes de serem entregue a famílias acolhedoras ou para adoção.

“Você não sabe o que é ver seus filhos passarem fome”, disse Pérez. “Você não faz ideia. Eu me sinto responsável, sinto que fracassei e não cuidei deles. Mas já tentei de tudo. Não há trabalho. E eles não param de emagrecer.

Diga-me! O que eu devo fazer?”

A dieta Maduro e a chacina de crianças

A atual economia da Venezuela se assemelha bastante à da antiga União Soviética imediatamente antes de entrar em total colapso. Só que, infelizmente, é pior: ao passo que o regime soviético já vinha dando sinais de abertura e implantando, ainda que a contragosto, algumas reformas econômicas, o venezuelano está indo para o caminho oposto, se fechando ainda mais, estatizando muito mais e endurecendo completamente a repressão.

Hoje, a Venezuela se transformou em um sádico laboratório que mostra em tempo real todas as inevitáveis consequências geradas pela aplicação de políticas socialistas.

A dupla Hugo Chávez/Nicolás Maduro havia prometido implantar todas aquelas promessas de sempre do socialismo: justiça, igualdade, liberdade, e o fim da exploração. No entanto, analisando-se o que está ocorrendo na Venezuela, o que se vê é a exata abolição de tudo aquilo que pode ser chamado de ‘civilização’.

De acordo com a recente Pesquisa sobre Condições de Vida (Encovi), realizada anualmente pelas principais universidades da Venezuela e divulgada há dois dias (21/02/2018), os venezuelanos perderam em média 11 quilos em 2017. Em 2016, essa média havia sido de 9 quilos.

Ou seja, a população venezuelana está se tornando aceleradamente esquálida. Seis em cada dezadmitem irem dormir com fome por falta de comida.

E quase nove em cada dez venezuelanos (87%) estão abaixo da linha da pobreza. Para se ter uma ideia da rapidez da deterioração, essa cifra era de “apenas” 48% em 2014. A pobreza praticamente dobrou em apenas três anos.

Com a fome se alastrando, a violência chega a níveis impensáveis. Segundo a Reuters, as estradas da Venezuela se transformaram em um território sem lei semelhante ao cenário pós-apocalíptico do filme Mad Max: todo e qualquer caminhão transportando algum tipo de alimento é bloqueado nas estradas por troncos de árvores e “miguelitos” (metais pontiagudos usados para furar os pneus), sendo em seguida atacado a pedradas e coquetéis Molotov, com toda a sua carga sendo saqueada. Os caminhoneiros passaram a apelidar as estradas de “guilhotinas“.

Outro recurso rotineiramente usado por venezuelanos para aplacar a fome é matar vacas a pedradas. Este vídeopublicado pelo jornal britânico The Daily Mail mostra pessoas apedrejando uma vaca aos gritos de “estamos com fome” e “estamos sofrendo”.

Não bastasse a fome, não há cuidados médicos. Como água e eletricidade se tornaram escassas, os hospitais não mais conseguem esterilizar os equipamentos e nem mesmo lavar as manchas de sangue das camas cirúrgicas. A mortalidade infantil disparou, pois as crianças nascidas sob tais condições insalubres e sem acesso a alimentos têm poucas chances de sobrevivência. Segundo dados divulgados pelo próprio governo, houve um aumento de 30% nos óbitos de crianças e um salto de pelo menos 65% nos falecimentos de gestantes em partos.

As cenas de crianças esqueléticas e bebês se desmanchando em ossos, em conjunto com famílias inteiras revirando latas de lixo nas ruas das cidades, completam o cenário de horror.

Tudo isso gerou uma crise migratória. Estima-se que mais de 500 mil venezuelanos tenham deixado o país apenas nestes dois primeiros meses de 2018. Essa é uma estimativa conservadora. Oficialmente, dois milhões de venezuelanos já deixaram o país. No entanto, uma entidade venezuelana garante que 4 milhões de venezuelanos já o fizeram.

O governo da Colômbia garante que já há mais de um milhão de venezuelanos vivendo no país. Cidades fronteiriças da Colômbia e do Brasil se transformaram em “favelas” povoadas por venezuelanos famintos e suas barracas. Venezuelanos que já foram ricos hoje vivem como mendigos na Colômbia (mas mesmo assim não pensam em voltar ao país natal).

O dinheiro que não existe

Como tudo ocorreu?

Na raiz de tudo está a destruição da moeda. Com a queda das receitas do petróleo, o governo venezuelano recorreu àquela solução simples, fácil e totalmente equivocada para aumentar seus gastos e manter seus programas assistencialistas: saiu literalmente imprimindo dinheiro.

Os gráficos abaixo mostram a evolução da quantidade de cédulas de papel e de depósitos em conta-corrente na economia venezuelana (agregado M1) de acordo com as estatísticas do próprio Banco Central venezuelano. Dado que o aumento da oferta monetária é exponencial, é necessário subdividir em dois gráficos.

Gráfico 1: evolução da quantidade de cédulas de papel e de depósitos em conta-corrente na Venezuela, de janeiro de 2007 a dezembro de 2015

Gráfico 2: evolução da quantidade de cédulas de papel e de depósitos em conta-corrente na Venezuela, de janeiro de 2016 a dezembro de 2017

No primeiro gráfico, a oferta monetária em dezembro de 2015 é de quatro trilhões de bolívares. Já em dezembro de 2017, esse montante já está em cento e vinte trilhões de bolívares.

Isso significa que, em menos de dois anos, a quantidade de dinheiro na economia foi multiplicada por 30.

Como consequência, o valor do bolívar está desabando feito uma pedra. O gráfico a seguir mostra a evolução da taxa de câmbio do bolívar em relação ao dólar americano no mercado paralelo. (Última data disponível: 4 de dezembro de 2017)

Gráfico 3: taxa de câmbio bolívar/dólar no mercado paralelo

Para economias altamente estatizadas, a desvalorização de uma moeda no mercado paralelo — que é o único verdadeiro livre mercado operando nessas economias — é o mensurador que melhor estima o real valor dessa moeda. O princípio da paridade do poder de compra (PPP), o qual vincula alterações na taxa de câmbio a alterações nos preços, permite estimativas mais confiáveis para a inflação de preços.

Assim, o gráfico a seguir mostra a evolução da verdadeira inflação de preços que está ocorrendo na Venezuela (estimativa de 15 de janeiro de 2018):

Gráfico 4: a verdadeira inflação de preços na Venezuela

Ou seja, a atual inflação de preços na Venezuela ultrapassou o estonteante valor de 5.000% ao ano.

Em conjunto com esta hiperinflação da moeda, o governo decretou controle de preços e recorreu à estatização de fábricas e de lojas. Como consequência, a escassez e o desabastecimento se tornaram generalizados. Vai de papel higiênico a comida, passando por remédioseletricidade e até mesmo água.

Sem uma moeda funcional e operando sob rígidos controles estatais, toda a economia se desarranjou. Sendo a moeda a metade de toda e qualquer transação econômica, se ela deixa de funcionar, a economia retorna a um estado de escambo. Ninguém aceita abrir mão de bens — principalmente alimentos e outros produtos essenciais — em troca de uma moeda sem poder de compra nenhum.

Uma moeda fraca destrói o aspecto econômico mais básico da economia de mercado, que é o sistema de preços. Consequentemente, sem uma formação de preços minimamente racional, todo o cálculo econômico permitido pelo sistema de preços — o cálculo de lucros e prejuízos, que é o que irá estimular investimentos — se torna praticamente impossível.

Esta reportagem do jornal The Miami Herald relata como as pessoas do setor de serviços estão dispostas a receber alimentos em troca de serviços. Antes de aceitarem um serviço, é normal perguntarem ao cliente o que há na despensa deles. Farinha, macarrão, arroz, óleo vegetal, açúcar, maionese, refrigerantes e itens de cuidado pessoal também são “moedas fortes”.

Empregadas domésticas, motoristas de táxi e de ônibus, carpinteiros, sapateiros, enfermeiras, empregados de lava-jatos, comerciantes e até mesmo profissionais estão cada vez mais dispostos a participar do arranjo “trabalho por comida” para não morrer de fome.

A mão-de-obra mais qualificada que ainda ficou na Venezuela é hoje remunerada com ovos (uma caixa de 36 ovos vale US$2 no mercado paralelo).

Conclusão

A situação da Venezuela é apenas mais um exemplo prático — em meio a uma longa lista — que comprova que, tão logo a economia de um país é colocada sob total controle do estado, por meio do socialismo, há um inevitável retrocesso civilizacional.

O que começou como uma crise econômica se transformou em um pesadelo humanitário sem qualquer perspectiva de fim.

Não deixa de ser fascinante constatar que, mesmo com a história nos fornecendo inúmeros exemplos, os governos parecem nunca aprender. Eles continuam acreditando que podem, de alguma maneira, sobrepujar as leis econômicas por decreto. Ainda mais apavorante é imaginar (e temer) quantos outros desastres econômicos terão de ocorrer até que se torne claro que o socialismo — de todos os tipos, tamanhos e graus de intensidade — é impraticávelintolerável e indesculpável.

Fonte: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2847

Compartilhe o Valor Ocidental